Deconstructing The Mummy Wars

“Perhaps it is not so much our mothers who have let us down as the yardsticks by which we have been measuring them.” – Monica McGoldrick

Throughout the generations, motherhood has been associated with guilt and blame, meaning that the mothers of families have often been blamed for issues related to family and children. The heart of this public discussion is the question of which “types” of mothers are the most suitable for their children, also known as “Mummy Wars“.

The Mummy Wars have been a convenient way of diverting and distracting people from reflecting on the real issues involving families, such as health care, quality childcare, fathers’ roles in parenting, fair wages and family-friendly work environments (Zimmerman et al., 2008).
This is a serious problem!
It means that rather than starting a public discussion seeking to address these real and compelling issues, the media has crafted and fed the “Mummy Wars” by asking irrelevant questions, such as “Who is the better mother: the stay-at-home or the working mother? The breastfeeding or the bottle feeding mother? The attachment mother or the non-attachment mother?” and so forth.

The answer to these irrelevant questions is that there is no better or worse, according to research. This further highlights the irrelevance of these wars.

“Working mothers should hide in shame for putting their kids in a filthy daycare center. . . . Stay-at-home mothers waste their education and throw us back to the 1950’s” (Peskowitz, 2005, p. 20). Statements such as these taken from a taping of Dr. Phil can clearly be an example of one of the “Mummy War” binary
discourses that are prevalent today (Zimmerman et al., 2008).

These media portrayals demonstrate the larger culture of mother-blame that has been pervasive in the field of mental health as well, in which mothers’ interactions with their children have been thought to cause or contribute to a myriad of childhood and developmental disorders. In fact, mothers have been blamed for causing epilepsy, colitis, asthma, ulcers, arthritis, anorexia nervosa, and a multitude of more severe problems in children (Coontz, 1992).

For example, in her best-selling parenting advice book, Parenthood by Proxy, celebrity therapist Dr. Laura Schlessinger specifically condemns working mothers for neglecting their children and depriving them of the necessary maternal affection which will inevitably drive them to a “life of crime” (Krafchick, Zimmerman, Haddock, & Banning, 2005, p. 89). In the mental health field, we are all familiar with terms like “schizophogenic mother” and “refrigerator mother.”

These terms indict mothers for causing such disorders as schizophrenia and autism, while never addressing the possible influence fathers might have.
It is now well known that these disorders are in fact not caused by poor mothering, yet they serve as examples of our society’s long history of blaming mothers. It is not surprising that again mothers—whether working, stay-at-home, breastfeeding or bottle feeding, etc—are targeted as the source of current social ills. The result of this judgement is that good mothers end up feeling inadequate and guilty about how they are allegedly damaging their children (Zimmerman et al., 2008).

It is imperative to understand that, in the midst of these distractions and irrelevant issues, we need to actually look more closely to the individuals and circumstances involved in each family. There are numbers of factors that are influential on the well-being of children or family life and most certainly the mother is not the only one in these cases.

We also need to remember that although a child’s well-being is certainly essential, the mother’s welfare is imperative as well. For example, in Hoffman and Youngblade’s study, fathers were more active in “traditional female household tasks and childcare”, and when fathers were more involved in childcare, test scores were higher among children. Raising children in families where both parents take an active role in the parenting process is beneficial to parents and children. Another example: research shows that when children are encouraged to resist gender norms, they do better in multiple areas including school, friendships, self-esteem, and future relationships (Coltrane, 1998; Gottman, 1997).

It is not surprising that the media is staging a war between different mothers, when in fact, many women do not have a choice. The media likes difference.
Arguments between different people are “sexy” and easier to sell (Harvey, 2005).

In the mental health field especially, therapists must be educated regarding the “Mummy Wars” culture. The purpose is to bridge the gap between what the media portrays and what is factual by portraying research-based facts and statistics. We must be aware of personal biases developed through exposure to the media’s messages of different kinds of mothers and recognise that there are several factors in the development of families.

If we buy into or are not aware of the ramifications of the “Mummy Wars” culture, we may unwittingly take a narrow view of the problem and fail to address the real social issues facing families. We have a responsibility to be educated on various contextual factors when understanding mother-blame.

When mothers are forced into inaccurate categories, the ability to plan creative solutions is gravely compromised.

Also, if we continue to perpetuate the “Mummy Wars” myth, we are adding to the already too-vast measuring stick that is used to rate mothers.

When we look at each family, we have the obligation to acknowledge all roles and factors involved in the raising of children and the health of the family as a whole and NOT just in relation to the mother-and-child relationship.

How can we achieve this?

By knowing the facts, examining research, not allowing biases to cloud our vision and recognising that there are many factors that parents face in relation to raising their children. We must expose the “Mummy Wars” myth for what it is: an unfair judgement aimed at women that creates a false dichotomy between different kinds of mothers. We must also steer clear from unhealthy and unhelpful categorisation and embrace differences as a characteristic of diversity rather than define them as “threatening or wrong”.
* The following academic article was used in order to craft this discussion:

Toni Schindler Zimmerman , Jennifer T. Aberle , Jennifer L. Krafchick & Ashley M. Harvey (2008) Deconstructing the “Mommy Wars”: The Battle Over the Best Mom, Journal of Feminist Family Therapy, 20:3, 203-219, DOI: 10.1080/08952830802264524

article-2340533-1a4d5184000005dc-581_1024x615_large

Talvez não sejam tanto as nossas mães que nos deixaram para baixo, mas os padrões pelos quais as temos medido.” – Monica McGoldrick

Ao longo das gerações, a maternidade tem sido associada com culpa e carga, o que significa que as mães de famílias têm sido muitas vezes culpadas por questões relacionadas com família e filhos. O motivo dessa discussão pública é a pergunta sobre quais “tipos” de mães são as mais adequadas para seus filhos, também conhecida como “Guerra das Maes“.

A Guerra das Maes tem sido uma maneira conveniente de desviar e distrair as pessoas de refletir sobre as questões reais envolvendo famílias, tais como cuidados de saúde, qualidade em educacao infantil, os papéis do pai na paternidade, salários justos e ambientes de trabalho que sao amigaveis para as familias (Zimmerman et al. 2008).
Isso é um problema sério!
Significa que, ao invés de iniciar uma discussão pública buscando abordar as questões reais e convincentes, a mídia criou e alimentou as “Guerras das Mães”, fazendo perguntas irrelevantes, como “Quem é a melhor mãe: a que fica em casa ou a mãe que trabalha; a mãe que amamenta ou a que alimenta com mamadeira?” e assim por diante.

A resposta destas perguntas irrelevantes é que não há melhor ou pior, de acordo com pesquisas. Isso destaca ainda mais a irrelevância dessas guerras.

As mães que trabalham devem se esconder com vergonha por colocar seus filhos em uma creche imunda. . . . As mães que ficam em casa perdem a educação academica e nos levam de volta aos anos 50” (Peskowitz, 2005, p.20). Afirmações como essas tiradas de uma gravação do Dr. Phil podem claramente ser um exemplo de um dos binários da Guerra das Maes que são prevalentes hoje (Zimmerman et al., 2008).

Esses retratos da mídia demonstram a cultura de culpa da mãe, que tem sido dominante no campo da saúde mental, onde as interações das mães com seus filhos causam ou contribuem para uma miríade de transtornos do desenvolvimento e da infância. De fato, as mães ja foram culpadas por causar epilepsia, colite, asma, úlceras, artrite, anorexia nervosa e uma multidão de problemas mais graves em crianças (Coontz, 1992).

Por exemplo, em seu livro sobre conselhos parentais, Parenthood by Proxy, a terapeuta-celebridade Dr. Laura Schlessinger condena especificamente as mães trabalhadoras por negligenciarem seus filhos e privá-los do carinho materno necessário, que irao inevitavelmente levá-los a uma “vida de crime” (Krafchick, Zimmerman, Haddock, & Banning, 2005, página 89). No campo da saúde mental, estamos todos familiarizados com termos como “mãe esquizofogênica” e “mãe geladeira”.

Esses termos acusam as mães de causar distúrbios como esquizofrenia e autismo, sem jamais abordar a possível influência dos pais.
Sabe-se agora que esses distúrbios não são, de fato, causados pela má educação materna, mas eles servem como exemplos da longa história da nossa sociedade de culpar as mães. Não é de surpreender que, novamente, as mães – seja trabalhando, permanecendo em casa, amamentando ou dando mamadeira, etc. – sejam mencionadas como fonte de males sociais atuais. O resultado deste julgamento é que boas mães acabam se sentindo inadequadas e culpadas sobre como elas alegadamente estão prejudicando seus filhos (Zimmerman et al., 2008).

É imperativo entender que, no meio dessas distrações e questões irrelevantes, precisamos realmente olhar mais de perto para os indivíduos e as circunstâncias envolvidas em cada família. Há um número de fatores que são influentes no bem-estar das crianças ou da vida familiar e, certamente, a mãe não é o único nesses casos.

Também precisamos lembrar que embora o bem-estar de uma criança seja certamente essencial, o bem-estar da mãe também é imperativo. Por exemplo, no estudo de Hoffman e Youngblade, os pais eram mais ativos nas “tarefas domésticas tradicionais e nos cuidados infantis”, e quando os pais estavam mais envolvidos na assistência à infância, as pontuações dos testes eram maiores entre as crianças. Criar filhos em famílias onde ambos os pais assumem um papel ativo no processo de criação de filhos é benéfico para pais e filhos. Um outro exemplo: pesquisas mostram que quando as crianças são encorajadas a resistir às normas de gênero, elas se desenvolvem melhor em várias áreas, incluindo escola, amizades, auto-estima e os relacionamentos futuros (Coltrane, 1998; Gottman, 1997).

Não é de surpreender que a mídia está organizando uma guerra entre mães diferentes, quando na verdade, muitas mulheres não têm escolha. A mídia gosta de diferenças. Argumentos entre pessoas diferentes são “sexy” e mais fáceis de vender (Harvey, 2005).

Especialmente no campo da saúde mental, os terapeutas devem ser educados sobre a cultura das “Guerras das Mães”. O objetivo é criar uma ponte entre aquilo que a mídia retrata e o que é verdadeiro ao retratar dados e estatísticas baseados em pesquisa. Devemos estar conscientes de preconceitos pessoais desenvolvidos através da exposição às mensagens da mídia sobre diferentes tipos de mães e reconhecer que existem vários fatores no desenvolvimento das famílias.

Se entrarmos nessa briga ou não estivermos conscientes das ramificações da cultura das “Guerras das Mamães”, podemos involuntariamente ter uma visão estreita do problema e não abordar os problemas sociais reais que as famílias enfrentam. Temos a responsabilidade de ser educados em vários fatores contextuais quando entendemos a cultura da “culpa da mãe”.

Quando as mães são forçadas dentro de categorias imprecisas, a capacidade de planejar soluções criativas é gravemente comprometida.

Além disso, se continuarmos a perpetuar o mito das “Guerras das Mamães”, estamos adicionando ainda mais para a vasta vara de medição que é usada para avaliar as mães.

Quando olhamos para cada família, temos a obrigação de reconhecer todos os papéis e fatores envolvidos na educação das crianças e da saúde da família como um todo e não apenas em relação ao relacionamento entre mãe e filho.

Como podemos conseguir isso?

Conhecendo os fatos, examinando a pesquisa, não permitindo que os preconceitos nublem a nossa visão e reconhecendo que há muitos fatores que os pais enfrentam em relação à criação de seus filhos. Devemos expor o mito das “Guerras das Mamães” pelo que é: um julgamento injusto dirigido às mulheres, que cria uma falsa dicotomia entre diferentes tipos de mães. Devemos também nos afastar da categorização insalubre e inútil e abraçar as diferenças como uma característica da diversidade ao invés de defini-las como “ameaçadoras ou erradas”.
* O seguinte artigo acadêmico foi usado para elaborar esta discussão:

Toni Schindler Zimmerman , Jennifer T. Aberle , Jennifer L. Krafchick & Ashley M. Harvey (2008) Deconstructing the “Mommy Wars”: The Battle Over the Best Mom, Journal of Feminist Family Therapy, 20:3, 203-219, DOI: 10.1080/08952830802264524

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s