Projection

Within our hands we have two possibilities: construction of healthy relationships or destruction that leads to isolation and distance.

Projections play a big part in how we deal (or not) with relationships. But what is a projection?

It is a defence mechanism.

It happens when we associate our own feelings, thoughts or traits to others, because we want to protect ourselves from possible threat or from dealing and acknowledging our own issues. It is also a form of denial, in many cases.

Freud’s first description of a Projection was written here:

“…She was sparing herself the reproach of being a ‘bad woman.’ Afterward she came to hear the same reproach from outside. Thus, the subject matter remained unaffected; what was altered was something in the placing of the whole thing. Earlier it had been an internal self-reproach, now it was an imputation coming from outside . . . People were saying what otherwise she would have said herself. Something was gained by this . . . the judgement, the reproach, was kept away from her ego.” (Freud, 1895/1966, p. 208)

A classic/neurotic projection is the denial by an individual of some negatively valued aspect of the self, and its ascription to others. It is perceiving others as operating in ways one unconsciously finds objectionable in yourself. This often happens subconsciously.

For example:

I am not irritable. If I feel irritation it is because you are irritable, and irritating me, rather than because I am irritable.

“I do not like another person. But I have a value that says I should like everyone. So I project onto them that they do not like me. This allows me to avoid them and also to handle my own feelings of dislike.”

“I am under the impression that she does not like me.”

“I feel inferior by his Facebook post, therefore he is an arrogant, selfish man. I mean, why is he posting all these photos of himself going on an expensive trip?”

“I don’t have any friends. It’s all their fault.”

“I feel uncomfortable by the way people are looking at me. They must be judging me.”

Attributive/Complementary projection is when a person attributes a mood or personality characteristic to others in order to justify one’s own possession of the characteristic. This
interpretation of projection is different from classical projection, because this trait can be acknowledged, but with less discomfort than would otherwise have been the case. It is conscious, but still a projection of an identical trait.

For example:

“I may be selfish but everybody who gets on in life is. You have to look after No. 1 these days.”

“I am an introvert, so I don’t like spending time with people. Therefore, all introverts are like this.”

An unfaithful husband suspects his wife of infidelity.

“When I was a teenager, I knew what I wanted to do in life. Therefore, all teenagers are like this.”

There are many situations where projections are committed by us. In order to move forward with real, healthy relationships, we need to acknowledge them when they happen and address the reasons behind them.

Am I projecting?

When talking, being and relating to others, we need to ask this question many times, especially during difficult seasons. When you see others in a negative light, think: are you projecting?

We have a way of enticing ourselves into unhelpful patterns of behaviour whenever we are navigating struggles and difficult seasons.

Are you projecting? What are you emanating? Why are you thinking of this person in this way? Is this something that YOU are feeling/thinking about yourself?

Rather than blame our neighbours, we need to do self-checks often.

Take a pause. Self-examine. Change your ways.

“Let’s take a good look at the way we’re living and reorder our lives under God.” (Lamentations 3:40)

“Don’t pick on people, jump on their failures, criticise their faults— unless, of course, you want the same treatment. That critical spirit has a way of boomeranging. It’s easy to see a smudge on your neighbour’s face and be oblivious to the ugly sneer on your own. Do you have the nerve to say, ‘Let me wash your face for you,’ when your own face is distorted by contempt? It’s this whole travelling road-show mentality all over again, playing a holier-than-thou part instead of just living your part. Wipe that ugly sneer off your own face, and you might be fit to offer a washcloth to your neighbour.” (Matthew 7:1-5)

It is vital for our health to address issues.

Unhelpful projections happen often as an underlying problem of self-esteem.

You have been made in the image of God. You are unique. Precious. And very loved.

“Oh yes, you shaped me first inside, then out;
    you formed me in my mother’s womb.
I thank you, High God—you’re breathtaking!
    Body and soul, I am marvelously made!
    I worship in adoration—what a creation!
You know me inside and out,
    you know every bone in my body;
You know exactly how I was made, bit by bit,
    how I was sculpted from nothing into something.
Like an open book, you watched me grow from conception to birth;
    all the stages of my life were spread out before you,
The days of my life all prepared
    before I’d even lived one day.” (Psalm 139:13-16)

And lastly:

Am I counter-projecting?

A counter-projection happens when the person to whom the attributes are placed takes on the unaccepted feelings of the other. In this case, a person who is counter-projecting is taking the projection on board.

It may come out as feelings of guilt or discomfort when being close to the person who is projecting. Are you counter-projecting?

Ask yourself if when others criticising you, they could be criticising a projection of themselves.

Are you accepting accusations that have no foundation, but are being spoken to you because the accuser may be insecure?

If your answer is yes, you need to address these issues with the person who is projecting.

Avoidance is not a healthy option. When others are using projection, you can hold up a mirror to show them what they are doing.

“You use steel to sharpen steel, and one friend sharpens another.” (Proverbs 27:17)

 

*Helpful psychological and academic articles that were used in the crafting of this discussion:

“Empirical Studies of Projection: A Critical Review”, by Lewis, J Rees; Bates, B C; Lawrence, S – retrieved at http://www.proquest.com

“Projection”, by Changing Minds – retrieved at http://changingminds.org

“What is projection? A basic guide.” by Andrea Harrn – retrieved at http://www.andreaharrn.co.uk

cut

Dentro de nossas mãos temos duas possibilidades: construção de relacionamentos saudáveis ou destruição que leva ao isolamento e à distância.

As projeções desempenham um papel importante na maneira como lidamos (ou não) com os relacionamentos. Mas o que é uma projeção?

É um mecanismo de defesa.

Ela acontece quando associamos nossos próprios sentimentos, pensamentos ou traços aos outros, porque queremos nos proteger de possíveis ameaças ou de lidar com e reconhecer nossos próprios problemas. É também uma forma de negação, em muitos casos.

A primeira descrição de Freud de uma Projeção foi escrita aqui:

“… Ela estava se poupando da critica de ser uma” mulher má “. Mais tarde, ela ouviu a mesma repreensão do lado de fora: assim, o assunto permaneceu inalterado, o que foi alterado foi algo na colocação de toda a coisa. Anteriormente tinha sido uma auto-censura interna, agora era uma imputação vindo do exterior (…) As pessoas diziam o que de outra forma ela teria dito, algo que se ganharia com isso … o julgamento, a critica, ficaram afastados de seu ego.” (Freud, 1895/1966, página 208)

Uma projeção clássica/neurótica é a negação por um indivíduo de algum aspecto negativamente valorizado do eu, e sua atribuição aos outros. É perceber os outros como operando de maneiras inconscientemente censuráveis em si mesmo. Isso acontece muitas vezes subconscientemente.

Por exemplo:

“Eu não estou irritado, se sinto irritação é porque você está irritado e me irrita, e não porque estou irritado.”

“Eu não gosto daquela pessoa, mas tenho um lema que diz que eu deveria gostar de todos, então projetei sobre ela que ela não gosta de mim. Isso me permite evitá-la e também evitar lidar com meus próprios sentimentos de desagrado”.

“Tenho a impressão de que ela não gosta de mim.”

“Eu me sinto inferior por causa do post que ele colocou no Facebook, por isso ele é um homem arrogante e egoísta. Porque ele está postando todas essas fotos de si mesmo em uma viagem cara?”

“Não tenho amigos, e é tudo culpa deles.”

“Eu me sinto desconfortável com a maneira como as pessoas estão olhando para mim. Eles devem estar me julgando.”

Projeção atributiva/complementar é quando uma pessoa atribui um humor ou característica de personalidade a outros, a fim de justificar a própria posse da característica. A interpretação dessa projeção é diferente da projeção clássica, porque esse traço pode ser reconhecido, mas com menos desconforto do que seria caso contrário. É consciente, mas ainda uma projeção de um traço idêntico.

Por exemplo:

“Eu posso ser egoísta, mas todo mundo que caminha na vida é. Você tem que cuidar de si mesmo nesses dias.”

“Eu sou um introvertido, então eu não gosto de gastar tempo com as pessoas. Portanto, todos os introvertidos são assim.”

Um marido infiel suspeita sua esposa de infidelidade.

“Quando eu era adolescente, eu sabia o que eu queria fazer na vida. Portanto, todos os adolescentes são assim.”

Há muitas situações em que as projeções são cometidas por nós. A fim de avançar com relacionamentos reais e saudáveis, precisamos reconhecê-las quando elas acontecem e abordar as razões por trás delas.

Eu estou projetando?

Ao falar, estar e relacionar-se com os outros, precisamos fazer essa pergunta muitas vezes, especialmente durante as épocas difíceis. Quando você vê os outros em uma luz negativa, pense: você está projetando?

Nós temos uma maneira de nos incluir em padrões inúteis de comportamento sempre que estamos navegando lutas e tempos difíceis.

Você está projetando? O que você está emanando? Porque você está pensando sobre essa pessoa dessa maneira? É algo que VOCÊ está sentindo/pensando sobre si mesmo?

Ao invés de culpar nossos vizinhos, precisamos fazer auto-verificações com freqüência.

Faça uma pausa. Um auto-exame. Mude suas maneiras.

“Examinemos seriamente o que temos feito e voltemos para o Senhor.” (Lamentações 3:40)

“Não julguem os outros para vocês não serem julgados por Deus. Porque Deus julgará vocês do mesmo modo que vocês julgarem os outros e usará com vocês a mesma medida que vocês usarem para medir os outros. Por que é que você vê o cisco que está no olho do seu irmão e não repara na trave de madeira que está no seu próprio olho? Como é que você pode dizer ao seu irmão: “Me deixe tirar esse cisco do seu olho”, quando você está com uma trave no seu próprio olho? Hipócrita! Tire primeiro a trave que está no seu olho e então poderá ver bem para tirar o cisco que está no olho do seu irmão.” (Mateus 7:1-5)

É vital para a nossa saúde resolver estas questões.

Projeções inúteis acontecem muitas vezes como um sintoma de um problema subjacente de auto-estima.

Você foi feito à imagem de Deus. Você é único. Precioso. E muito amado.

“Tu criaste cada parte do meu corpo;
tu me formaste na barriga da minha mãe.
Eu te louvo porque deves ser temido.
Tudo o que fazes é maravilhoso,
e eu sei disso muito bem.
Tu viste quando os meus ossos
estavam sendo feitos,
quando eu estava sendo formado
na barriga da minha mãe,
crescendo ali em segredo,
tu me viste antes de eu ter nascido.
Os dias que me deste para viver
foram todos escritos no teu livro
quando ainda nenhum deles existia.” (Salmo 139: 13-16)

E por fim:

Eu estou contra-projetando?

Uma contra-projeção acontece quando a pessoa a quem os atributos são colocados assume os sentimentos inaceitáveis do outro. Neste caso, uma pessoa que está contra-projetando está tomando a projeção para si.

Uma contra-projeção pode surgir como sentimentos de culpa ou desconforto ao estar perto da pessoa que está projetando. Você está contra-projetando?

Pergunte a si mesmo se, quando os outros o criticam, poderiam estar criticando uma projeção de si mesmos.

Você está aceitando acusações que não têm fundamento, mas estão sendo faladas a você porque o acusador se sente inseguro?

Se sua resposta for sim, você precisa resolver esses problemas com a pessoa que está projetando.

Evitar não é uma opção saudável. Quando outros estão usando projeção, você pode segurar um espelho para mostrar-lhes o que eles estão fazendo.

“As pessoas aprendem umas com as outras, assim como o ferro afia o próprio ferro.” (Provérbios 27:17)

 

*Artigos psicológicos e acadêmicos úteis que foram utilizados na elaboração desta discussão:

“Empirical Studies of Projection: A Critical Review”, by Lewis, J Rees; Bates, B C; Lawrence, S – retrieved at http://www.proquest.com

“Projection”, by Changing Minds – retrieved at http://changingminds.org

“What is projection? A basic guide.” by Andrea Harrn – retrieved at http://www.andreaharrn.co.uk

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s